Malária (atualizado em 09-10-2017)

Alerta 27/2017 - Malária autóctone em Itália. Medidas para a prevenção da transmissão através da transfusão

Vimos por este meio, divulgar informação recebida através do  Rapid Alert on Blood da Comissão Europeia, SANCO-RAB,  relativa  a existência de  casos autóctones humanos  de  Malária em Itália  e às medidas preventivas adoptadas para a segurança do sangue e componentes sanguíneos.

A 14 de Setembro, na sequência de informação através do Sistema RONDA da Direcção Geral da Saúde, acerca da existência de 12 casos autóctones de Malária em quatro países europeus, Grécia (6 casos), Itália (1 caso – óbito), Reino Unido/ Chipre (3 casos com histórico de viagens a Chipre) e França (2 casos) tínhamos enviado o Alerta 26/2017.

Para vosso conhecimento, relativamente a este assunto, divulgamos agora o Rapid Risk Assessment do ECDC,  datado de 20 de Setembro, que junto anexamos.

Para além do caso fatal de Malária, numa criança, na província de Trento, notificado por Itália ( Alerta 26/2017), recebemos informação de que  em 2017 e até 4 de Outubro,  foram diagnosticados e notificados  mais 4 casos de Malária,  por Plasmodium falciparum,  no município de Ginosa, Provincia de Taranto, Região da Apúlia, que de acordo com o documento em anexo, parecem ser autóctones, embora ainda estejam a decorrer investigações adicionais para confirmação.

Aplicando o princípio da precaução, pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  a estas regiões de Itália,  Trento e Apúlia,   bem como  ás regiões da Grécia, França e Chipre ( Alerta 26/2017), a Cuba (Alerta 5/2017) e a Cabo Verde ( Alerta 20/2017) dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do  Manual de Triagem de Dadores de Sangue, IPST 2015, CAPÍTULO 15. Infecciologia, no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Indivíduos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

 

Alerta 23/2017- Malária autóctone na Grécia - medidas para a prevenção da transmissão através da transfusão

Vimos por este meio, divulgar informação recebida através do  Rapid Alert on Blood da Comissão Europeia, SANCO-RAB,  relativa  a existência de  casos autóctones de Malária na Grécia (notificados até 17 de Agosto de 2017)  e às medidas preventivas adoptadas para a segurança do sangue e componentes sanguíneos.

De acordo com a informação recebida, em 2017, até 17 de Agosto, foram notificados ao Hellenic Centre for Disease Control and Prevention (KEELPNO), 5 casos de Malária P vivax  e 1 caso de P. falciparum adquiridos localmente.

Encontra-se em anexo a informação  relativa aos casos reportados, à designação de áreas afectada e às medidas adoptadas localmente para a prevenção da transmissão da Malária através da transfusão.

As medidas para a segurança do sangue e componentes sanguíneos   foram implementadas em todas as regiões onde ocorreram casos em 2016 e 2017. Estas regiões são caracterizadas como regiões de alto risco para a transmissão local de malária uma vez que” têm a presença contínua ou intermitente de factores epidemiológicos de risco para a transmissão da doença”. (OMS/2007).

2017

  • Municipality of West Ahaia, Regional Unit (RU) of Ahaia, Region of West Greece
  • Municipality of Andavida-Kyllini, RU of Ileia, Region of West Greece
  • Municipality of Thiva, RU of Viotia
  • Municipality of Messolonghi, RU of Aitolokarnania

2016

  • Municipality of Andravida – Kyllini RU of Iliea,
  • Municipality of West Ahaia, RU of Αhaia
  • Municipality of Lagada, RU of Thessaloniki
  • Municipality of Skiathos, RU of Magnesia and Sporades
  • Municipality of Tempi, RU of Larissa

 

Pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  a estas regiões da Grécia  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do  Manual de Triagem de Dadores de Sangue, IPST 2015, CAPÍTULO 15. Infecciologia, no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Indivíduos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

Solicitamos a vossa maior atenção a esta situação e solicitamos a divulgação da presente informação a todos os profissionais com responsabilidades na selecção e avaliação de dadores de sangue.

Actualização do Alerta 20/2017 - Surto de Malária em Cabo Verde . Medidas para a prevenção da transmissão através da transfusão.

Recebemos uma actualização da informação referente ao Surto de Malária em Cabo Verde através do Sistema RONDA da Direcção Geral da Saúde.

Entre 30 de Junho e 3 de Setembro, foram notificados 167 casos de malária por Plasmodium falciparum em Cabo Verde, entre casos autóctones e importados, afectando principalmente o município da Praia na Ilha de Santiago. A transmissão local só foi reportada na cidade da Praia, com 153 casos autóctones. Casos importados foram reportados em Santiago (3),São Vicente (6), Sal (3)e em Santo Antão (2). O reforço das medidas de controlo foi implementado em todo o arquipélago, mas com especial enfoque na Ilha de Santiago e na cidade da Praia.

Pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  a Cabo Verde  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do  Manual de Triagem de Dadores de Sangue, IPST 2015, CAPÍTULO 15. Infecciologia, no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Indivíduos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

Solicitamos a vossa maior atenção a estas situações e solicitamos a divulgação da presente informação a todos os profissionais com responsabilidades na selecção e avaliação de dadores de sangue.

Alerta 20 / 2017 - Surto de Malária em Cabo Verde na cidade da Praia , Ilha de Santiago

Fonte: OMS /IHN

Fomos informados pelo Sistema RONDA da Direcção Geral da Saúde da existência de um aumento súbito e sem precedentes da incidência da malária em Cabo Verde  com notificação de 45 casos autóctones de Malária por Plasmodium falciparum, em residentes na cidade da Praia, Ilha de Santiago, entre 30 de Junho e 30 de Julho de 2017. O arquipélago é considerado uma área de baixo risco para a malária, com transmissão local limitada, anualmente, aos meses entre Setembro a Novembro (época das chuvas).

Este surto parece estar associado à ineficácia das estratégias de controlo de vectores.

A OMS está a apoiar o Ministério da Saúde de Cabo Verde na investigação e resposta ao surto e considera que o risco é elevado ao nível nacional, dado que se aproxima um período de condições climáticas favoráveis para os vectores, nomeadamente: estação das chuvas; aumento de temperatura e humidade.

Pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  a Cabo Verde  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do  Manual de Triagem de Dadores de Sangue, IPST 2015, CAPÍTULO 15. Infecciologia, no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Indivíduos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

Alerta 16 /2017 - Malária em Cabo Verde

Fonte: OMS

Entre 30 de junho e 30 de Julho de 2017, foram notificados 45 casos autóctones de Malária por Plasmodium falciparum, em residentes na cidade da Praia, Ilha de Santiago (53% dos casos em homens adultos acima dos 20 anos). Nos últimos 5 anos foi notificado, em média, 1 caso autóctone por ano.

A transmissão local parece estar associada:

  • À ineficácia das estratégias de controlo de vectores;
  • À utilização inadequada de um novo inseticida introduzido em Novembro de 2016;
  • À instalação não autorizada de um arrozal na área afetada;
  • Ao aumento dos criadouros nas zonas de construção.

A elevada proporção de homens adultos afetados é possivelmente explicada pela transmissão próxima dos locais de trabalho, como o arrozal e locais de construção.

A OMS está a apoiar o Ministério da Saúde de Cabo Verde na investigação e resposta ao surto, com

  •  implementação de tratamento em clínicas locais;
  •  investigação epidemiológica;
  •  sensibilização da comunidade para a prevenção e controlo de vetores;
  • diagnóstico laboratorial (se bem que com capacidade limitada para realizar testes para outros arbovírus em termos de diagnóstico diferencial).

De acordo com a OMS, a transmissão local está circunscrita à cidade da Praia, mas existe risco elevado de propagação da doença dentro do arquipélago, dada a presença de:

  •  vetores potenciais (Anophe(es gambiae) em Santiago e nas ilhas vizinhas;
  • viagens regulares dentro das ilhas e entre países endémicos;
  •  temperatura e humidade elevadas;
  • proximidade da estação das chuvas.

http://apps.whoint/iris/bitstream/10665/258688/1/0EW31-2970482017.pdf

http://apps.who.indirisibbstream/10665/258688/1 /0EW31-2970482017.pdf

Assim pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  às regiões acima referidas  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do Decreto-Lei nº 185/ 2015 de 2 de Setembro, republicação do Decreto –Lei nº 267/2007 Anexo VII  2.2.1 no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Indivíduos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

 

Alerta 6 /2017 - Casos autóctones de Malária em CubaA

Actualizam-se as medidas para a prevenção da Malária através da transfusão.

Pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  a Cuba  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do  Manual de Triagem de Dadores de Sangue, IPST 2015, CAPÍTULO 15. Infecciologia, no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Indivíduos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

Solicitamos a vossa maior atenção a estas situações e solicitamos a divulgação da presente informação a todos os profissionais com responsabilidades na selecção e avaliação de dadores de sangue.

 

 

Alerta 5 /2017 - Casos autóctones de Malária em Cuba

Na  segunda semana de 2017, foram confirmados 2 casos autóctones de Malária por Plasmodium vivax no município de Rodas (província de Cienfuegos), em Cuba. Segundo a WHO/PAHO, estes casos estão relacionados com um outro importado da República Cooperativa da Guiana.

A Malária foi eliminada com sucesso em Cuba em 1967, tendo o país sido certificado pela WHO como livre da doença em 1973. Em 2016, foram reportados 71 casos importados de Malária, 66% dos quais por Plasmodium falciparum, 31% por Plasmodium vivax e 3% por Plasmodium malariae. A WHO/PAHO alerta para o risco de reintrodução da doença em áreas em que a transmissão tinha sido interrompida.

O ECDC considera que o risco para viajantes europeus é muito baixo, aconselhando a adoção de medidas de prevenção da picada do mosquito.

A DGS mantém as recomendações de que os viajantes com destino a Cuba se dirijam à Consulta do Viajante ou ao Médico Assistente.

http://www.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_view&Itemid=270&gid=38146&lang=en

Assim pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  a Cuba  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do Decreto-L ei nº 185/ 2015 de 2 de Setembro, republicação do Decreto –Lei nº 267/2007 Anexo VII  2.2.1 no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Individuos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

Solicitamos a vossa maior atenção a esta situação e solicitamos a divulgação da presente informação a todos os profissionais com responsabilidades na selecção e avaliação de dadores de sangue.

 

Mantem-se em vigor o Alerta 32/2016  (foi recebido através do Rapid Alert on Blood da Comissão Europeia e não foi encerrado)

Suspende-se o Alerta 26/2016 por informação mais actualizada do Alerta acima referido

Alerta 32 - Novo caso de Malária na Grécia - medidas para a prevenção da transmissão através da transfusão

Vimos por este meio, divulgar informação recebida através do  Rapid Alert on Blood da Comissão Europeia, SANCO-RAB,  relativa  a existência de  um novo caso autóctone de malária na Grécia (casos notificados até 12 de Setembro de 2016)  e às medidas preventivas adoptadas para a segurança do sangue e componentes sanguíneos.

Este caso junta-se aos  quatro casos  ocorridos até 11 de Agosto  de 2016 e acerca dos quais demos informação no Alerta 26/2016.

De acordo com a informação recebida do Hellenic Centre for Disease Control and Prevention (KEELPNO), após um período de quatro anos de medidas intensivas de controlo para Plasmodium Vivax na Grécia , e na ausência de casos reportados em 2014, 6 casos de Malária adquiridos localmente foram reportados em 2015 ( Alertas 23 e 25/2015).Já em 2016 , até 12 de Setembro, 5 novos casos de Malária p vivax, adquiridos localmente foram reportados, dois (2)  casos ocorreram no Peloponeso ocidental, outros dois (2), na Macedónia central e este último no município de Skiatos, Unidade regional de Magnesia e Sporades, Região de Tessalia.

Encontra-se em anexo a informação reportada hoje através do Rapid Alert on Blood, relativa aos cinco casos reportados em 2016 e às medidas adoptadas localmente.

Embora a Grécia  não seja um país endémico para a malária , todas as regiões onde ocorreram os casos em 2015 e 2016 são caracterizadas como regiões de alto risco para a transmissão local de malária uma vez que” têm a presença contínua ou intermitente de factores epidemiológicos de risco para a transmissão da doença”. (OMS/2007).

2015

Pellineon and Oichalias

Municipality of Farkadona, Estiotida e Kalivia

Municipality of Trikkeon, Perfecture of Trikala – Sellanon

Municipality of Palama, Perfecture of Karditsa

Skala and Elos

Municipality of Evrotas, perfecture of Lakonia

Paralimni

Municipalityof Theva, Perfecture of Viotia

Municipality of Chalkida – Perfecture of Evia- Evangelismos

Municipality of Tempi – Perfecture of Larisa

Municipality of Marathon regional unit of East Attica.

 

2016

Municipality of western Ahaia, Regional Unit Of Ahaia, Region of West Greece

Municipality of Andravida-Kyllini, prefecture of Ileia, Region of West Greece

Municipality of Lagada, prefecture of Thessaloniki., Region of Central Macedonia

Municipality of Skiathos, Regional Unit of Magnesia and Sporades, Region of Thessaly

 

Assim pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  às regiões acima referidas  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do Decreto-L ei nº 185/ 2015 de 2 de Setembro, republicação do Decreto –Lei nº 267/2007 Anexo VII  2.2.1 no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  •  Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Individuos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

 

Solicitamos a vossa maior atenção a esta situação e solicitamos a divulgação da presente informação a todos os profissionais com responsabilidades na selecção e avaliação de dadores de sangue.

 

Alerta 26/2016 - Casos de Malária na Grécia,  medidas para a prevenção da transmissão através da transfusão.

De acordo com a informação recebida do Hellenic Centre for Disease Control and Prevention (KEELPNO), após um período de quatro anos de medidas intensivas de controlo para Plasmodium Vivax na Grécia , e na ausência de casos reportados em 2014, 6 casos de Malária adquiridos localmente foram reportados em 2015.( Alertas 23 e 25/2015)

Já em 2016 , até 11 de Agosto, 4 novos casos de Malária p vivax, adquiridos localmente foram reportados ao Hellenic Centre for Disease Control and Prevention (KEELPNO), dois (2)  casos ocorreram no Peloponeso ocidental e outros dois (2), na Macedónia central.

A informação relativa ao número de casos reportados e às regiões onde foram identificados encontra-se em anexo.

Encontra-se igualmente em anexo a informação reportada hoje através do Rapid Alert on Blood, relativa aos quatro casos e às medidas adoptadas localmente.

Embora a Grécia  não seja um país endémico para a malária , todas as regiões onde ocorreram os casos em 2015 e 2016 são caracterizadas como regiões de alto risco para a transmissão local de malária uma vez que” têm a presença contínua ou intermitente de factores epidemiológicos de risco para a transmissão da doença”. (OMS/2007).

2015

Pellineon and Oichalias

Municipality of Farkadona, Estiotida e Kalivia

Municipality of Trikkeon, Perfecture of Trikala – Sellanon

Municipality of Palama, Perfecture of Karditsa

 

Skala and Elos

Municipality of Evrotas, perfecture of Lakonia

 

Paralimni

Municipalityof Theva, Perfecture of Viotia

Municipality of Chalkida – Perfecture of Evia- Evangelismos

Municipality of Tempi – Perfecture of Larisa

 

Municipality of Marathon regional unit of East Attica.

 

2016

Municipality of western Ahaia

Municipality of Andravida-Kyllini, prefecture of Ileia

Municipality of Lagada, prefecture of Thessaloniki.

 

Assim pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  às regiões acima referidas  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do Decreto-L ei nº 185/ 2015 de 2 de Setembro, republicação do Decreto –Lei nº 267/2007 Anexo VII  2.2.1 no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Individuos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

Solicitamos a vossa maior atenção a esta situação e solicitamos a divulgação da presente informação a todos os profissionais com responsabilidades na selecção e avaliação de dadores de sangue.

 

Alerta 25/2015 - Dois novos casos de Malária na Grécia

Na sequência de alerta anterior datado de 1 de Outubro de 2015, relativo a 4 casos de   malaria P.Vivax nas areas de Farkadona - prefecture de Trikala, Elos -Municipality of Evrotas - prefecture de Lakonia, lake Paralimni - Municipality of Theva - prefecture de Viotia e Evangelismos - Municipality of Tempi - prefecture of Larisa, o Hellenic Centre for Disease Control and Prevention (KEELPNO) notificou a 16 de Outubro dois novos casos de malaria P.Vivax classificados como autóctones em Kato Souli - Municipality of Marathon regional unit of East Attica.

Assim pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  às regiões acima referidas, incluindo a região de  Kato Souli - Municipality of Marathon regional unit of East Attica, dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do Decreto-L ei nº 185/ 2015 de 2 de Setembro, republicação do Decreto –Lei nº 267/2007 Anexo VII  2.2.1 no que se refere aos :

  • Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Individuos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita

Alerta 23 - Casos de Malaria na Grecia - medidas para a prevenção da transmissão através da transfusão

De acordo com a informação recebida do Hellenic Centre for Disease Control and Prevention (KEELPNO), após um período de quatro anos de medidas intensivas de controlo para Plasmodium Vivax na Grécia , e na ausência de casos reportados em 2014, 4 casos de Malária adquiridos localmente foram reportados até 28 de Setembro de 2015.

De 2009 a 2013 a Grécia reportou casos autóctones de malária.

Os casos de malária autóctone reportados ocorreram nas seguintes regiões:

  • Pellineon and Oichalias
  • Municipality of Farkadona, Estiotida e Kalivia
  • Municipality of Trikkeon, Perfecture of Trikala – Sellanon
  • Municipality of Palama, Perfecture of Karditsa
  • Skala and Elos
  • Municipality of Evrotas, perfecture of Lakonia
  • Paralimni
  • Municipalityof Theva, Perfecture of Viotia
  • Municipality of Chalkida – Perfecture of Evia- Evangelismos
  • Municipality of Tempi – Perfecture of Larisa

Embora a Grécia  não seja um país endémico para a malária , todas as regiões onde ocorreram os casos são caracterizadas como regiões de alto risco para a transmissão local de malária uma vez que” têm a presença contínua ou intermitente de factores epidemiológicos de risco para a transmissão da doença”. (OMS/2007).

Assim pensamos adequado, para a prevenção do risco de transmissão da malária através da transfusão, a aplicação  às regiões acima referidas  dos critérios de elegibilidade de dadores de sangue total e componentes sanguíneos aplicáveis a zonas endémicas, constantes do Decreto-L ei nº 185/ 2015 de 2 de Setembro, republicação do Decreto –Lei nº 267/2007 Anexo VII  2.2.1 no que se refere aos :

  •  Indivíduos que viveram numa zona com paludismo durante os cinco primeiros anos de vida
  • Indivíduos com antecedentes de paludismo
  • Visitantes assintomáticos - Considerando visitantes pessoas que tenham permanecido pelo menos uma noite na região afectada.
  • Individuos com antecedentes de afecção febril não diagnosticada durante uma visita a uma zona endémica ou seis meses após essa visita
Loading...
Loading...