MERS - CoV (atualizado em 10-08-2017)

Alerta 16/2017 -  Actualizações sobre a existência do caso de MERS - Cov em Portugal

Fonte: INSA; DGS

A 30 de julho de 2017, a DGS foi alertada para a suspeita de um caso de MERS-CoV num indivíduo internado num hospital da ARS LVT, com um quadro de pneumonia grave com história de viagem aos países árabes, tal como divulgado na RONDA anterior. Foram adotadas medidas estritas de prevenção e controlo da infeção no hospital e enviadas amostras biológicas para o INSA.

Os primeiros resultados foram negativos, tendo sido colhidas novas amostras para confirmar ou infirmar a infeção pelo vírus, conforme Orientação da DGS.

Os resultados da pesquisa de MERS-CoV nas segundas amostras também foram negativos (em ambos os exsudados nasofaríngeo e orofaríngeo).

A DGS salienta a necessidade de manter a atenção face a possíveis casos de MERS-CoV

Orientação em: http://www.dgs.pt/directrizes-da-dgsforientacoes-e-circulares«informativas/orientacao-n-0082015«de-30062015.aspx

Mesmo tendo em conta a exclusão de caso importado e considerando o princípio da precaução e tendo em conta a elevada taxa de letalidade desta patologia devem ser mantidas as  medidas de suspensão temporária de potenciais dadores de sangue já preconizadas anteriormente suspensão por 28 dias de potenciais dadores de sangue, assintomáticos,  que tenham regressado  do médio oriente, particularmente da Arábia Saudita

 

 

Alerta 15/2017 – MERS-CoV (Middle East Respiratory Syndrome ) caso importado;

A 30 de julho de 2017, a DGS foi alertada para a suspeita de um caso de MERS-CoV num indivíduo internado num hospital da ARS LVT, com um quadro de pneumonia grave com história de viagem aos países árabes. Foram adoptadas medidas estritas de prevenção e controlo da infecção no hospital e enviadas amostras biológicas para o INSA. Os primeiros resultados foram negativos, tendo sido colhidas novas amostras para confirmar ou infirmar a infeção pelo vírus, conforme Orientação da DGS. A nível mundial, desde Setembro de 2012 e até 21 julho de 2017, a OMS foi notificada de 2040 casos confirmados laboratorialmente de MERS-CoV, em 27 países, principalmente na Arábia Saudita (82% dos casos). Destes, 712 resultaram em óbito (taxa de letalidade 35%).

Desde a última actualização global a 5/12/2016, aproximadamente 31% dos casos notificados à WHO são associados a transmissão em instituições de saúde, o que comprova a necessidade de informar os profissionais de saúde desta situação. A inespecificidade da sintomatologia pode levar ao diagnóstico tardio, pelo que o fortalecimento das medidas de prevenção e controlo da infecção nas instituições de saúde é fundamental para interromper a transmissão.

A WHO considera expectável a notificação de casos adicionais no Médio Oriente e casos importados noutros países, após exposição a animais ou a produtos animais (ex. dromedários) ou a pessoas infectadas. A DGS alerta para a necessidade de manter a atenção face a possíveis casos de MERS-CoV (ver Orientação em: http://www.dgs.pt/directrizes-da-dgs/orientacoes-e-circulares-informativas/orientacao-n-0082015-de-30062015.aspx

Considerando o princípio da precaução e tendo em conta a elevada taxa de letalidade devem ser adoptadas as seguintes  medidas de suspensão temporária de potenciais dadores de sangue

  • Suspensão por 28 dias de potenciais dadores de sangue, assintomáticos,  que tenham regressado  do médio oriente, particularmente da Arábia Saudita
  • Suspensão por 28 dias, depois do último contacto, de potenciais dadores de sangue que tenham estado em contacto com casos de MERS-CoV importados.

 

 

Mantem-se em vigor o Alerta 33/2016 (23/09/2016)

Suspendem-se os Alertas 4,18 e 20/2016 por informação mais actualizada do Alerta acima referido.

Alerta 33/2016 - Actualização da informação relativa a MERS-CoV

Segundo dados do ECDC, a 8 de setembro de 2016, a Áustria reportou um caso de MERS-CoV num cidadão da Arábia Saudita que viajou até Viena. O doente é um criador de camelos.

Até à data, foram identificados 58 contactos que estão sob vigilância durante 14 dias. Mantém-se o risco, baixo, de importação de casos para a Europa após exposição no Médio Oriente.

http://ecdc.europa.eu/en/publications/Publications/communicable-disease-threats-report-10-sep-2016.pdf

Foram reportados globalmente, de abril de 2012 a 14 de setembro de 2016, 1823 casos confirmados de infeção por MERS-CoV, incluindo 701 óbitos. A maioria dos casos ocorreu no Médio Oriente (Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Jordânia, Omã, Kuwait, Egito, Iêmen, Líbano e Irão).

http://ecdc.europa.eu/en/publications/Publications/communicable-disease-threats-report-10-sep-2016.pdf

A fonte do vírus permanece desconhecida, mas o padrão de transmissão indica os dromedários/camelos como o reservatório a partir do qual os seres humanos podem ser infetados.

O ECDC continua acompanhar o surto.

Mais informações, consulte:

http://ecdc.europa.eu/en/healthtopics/coronavirus-infections/mers-factsheet/Pages/default.aspx

Mantêm-se em vigor as medidas preventivas preconizadas para a transmissão de infecção por MERS-CoV através da transfusão divulgadas em Alertas anteriores.

Solicitamos a vossa maior atenção a esta situação e solicitamos a divulgação da presente informação a todos os profissionais com responsabilidades na selecção e avaliação de dadores de sangue.Alerta 20/2016 - Actualização da informação relativa a MERS-CoV

Segundo dados do Regulamento Sanitário Internacional, as autoridades de saúde da Arábia Saudita reportaram, de 21 de maio a 30 de junho, 13 casos adicionais de MERS-CoV, incluindo um caso fatal. Cinco dos casos estão associados com o surto que ocorreu no hospital da cidade Riyadh.

Até à data, foram reportados globalmente 1782 casos confirmados de infeção por MERS-CoV, incluindo 634 óbitos. A maioria dos casos ocorreu no Médio Oriente (Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Jordânia, Omã, Kuwait, Egito, Iêmen, Líbano e Irão).

A fonte do vírus permanece desconhecida, mas o padrão de transmissão indica os dromedários como o reservatório a partir do qual os seres humanos ficam infetados.

Por este motivo mantêm-se  em vigor as medidas preventivas para a transmissão do MERS-CoV preconizadas em Alertas anteriores.

 

Alerta 18/2016 - Actualização da informação relativa a MERS-CoV

Segundo dados da OMS, as autoridades de saúde da Arábia Saudita reportaram, de 15 de maio até 20 de junho, 12 casos adicionais de MERS-CoV, incluindo um caso fatal.

Até à data, foram reportados globalmente 1768 casos confirmados de infeção por MERS-CoV, incluindo 630 óbitos. A maioria dos casos ocorreu no Médio Oriente (Arábia Saudita, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Jordânia, Omã, Kuwait, Egito, Iêmen, Líbano, Iraque,Irão) e Siria, tendo também ocorrido casos na Coreia do Sul, China e Tailândia.

A fonte do vírus permanece desconhecida, mas o padrão de transmissão indica os dromedários como o reservatório a partir do qual os seres humanos ficam infetados.

Por este motivo mantêm-se  em vigor as medidas preventivas para a transmissão do MERS-CoV preconizadas em Alertas anteriores.

Alerta 4/2016

Segundo dados da OMS, os Emirados Árabes Unidos reportaram, de 11 a 14 de janeiro, 2 novos casos da doença, incluindo um óbito. A Arábia Saudita reportou, de 27 de dezembro a 13 de janeiro, 4 novos casos. De acordo com o ECDC, a 23 de janeiro, as autoridades de saúde da Tailândia reportaram um novo caso de doença num viajante de Omã para a Tailândia. Está a ser feito contact tracing aos 239 passageiros do voo, motorista do táxi, rececionista do hotel e a 11 profissionais de saúde.

Segundo o ECDC, até 21 de janeiro, as autoridades de saúde de 26 países reportaram 1649 casos confirmados de infeção por MERS-CoV, incluindo 638 óbitos. A maioria dos casos ocorreu no Médio Oriente (Arábia Saudita, Emirados Árabes Unidos, Qatar, Jordânia, Omã, Kuwait, Egito, Iêmen, Líbano e Irão).

http://ecdc.europa.eu/en/publications/Publications/communicable-disease-threats-report-23-jan-2016.pdf

Mais informações, consulte:

http://ecdc.europa.eu/en/healthtopics/coronavirus-infections/Pages/index.aspx

Distribuição dos casos e óbitos por região, março de 2012 a 21 de janeiro 2016 (n=1 649)

Médio Oriente

  • Arábia Saudita: 1 285 casos/551 óbitos *
  • Emirados Árabes Unidos: 83 casos/11 óbitos*
  • Qatar: 13 casos/5 óbitos
  • Jordânia: 35 casos/14 óbitos
  • Omã: 7 casos/3 óbitos
  • Kuwait: 4 casos/2 óbitos
  • Egito: 1 caso/0 óbitos
  • Yemen: 1 caso/1 óbitos
  • Líbano: 1 caso/0 óbitos
  • Irão: 6 casos/2 óbitos

Europa

  • Turquia: 1 caso/1 óbitos
  • Reino Unido: 4 casos/3 óbitos
  • Alemanha: 3 casos/2 óbitos
  • França: 2 casos/1 óbitos
  • Itália: 1 caso/0 óbitos
  • Grécia: 1 caso/1 óbitos
  • Holanda: 2 casos/0 óbitos
  • Áustria: 1 caso/0 óbitos

África

  • Tunísia: 3 casos/1 óbitos
  • Algéria: 2 casos/1 óbitos

Ásia

  • Malásia: 1 caso/1 óbitos
  • Filipinas: 3 casos/0 óbitos
  • Coreia do Sul: 185 casos/38 óbitos
  • China: 1 caso/0 óbitos
  • Tailândia: 1 caso/0 óbitos*

América

  • EUA: 2 casos/0 óbitos

*novos casos reportados na semana de 11 a 17 de jan de 2016

Considerando o princípio da precaução e tendo em conta a elevada taxa de letalidade, a ausência de identificação da fonte da infecção bem como a forma de transmissão do coronavírus MERS-CoV, mantêm-se as medidas de suspensão temporária de potenciais dadores de sangue adoptadas a partir de 29/7/2013,

  • Suspensão por 28 dias de potenciais dadores de sangue, assintomáticos,  que tenham regressado  da Arábia Saudita, Bahrein, Egipto, Emiratos Árabes Unidos, Iémen, Irão, Iraque, Jordânia, Kuwait, Líbano, Omã, Qatar, Síria ( aos potenciais dadores de sangue que tenham viajado para regiões endémicas de malária  aplicam-se critérios utilizados para a malária uma vez que são mais restritivos).
  • Suspensão por 28 dias, depois do último contacto, de potenciais dadores de sangue que tenham estado em contacto com casos de MERS-CoV importados.

 

Loading...
Loading...